Experiências Fora de Portas

header

PROGRAMA 2019
Inscrições abertas 

O Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva criou o programa Experiências Fora de Portas a pensar no público sénior. Todos os meses os participantes terão acesso a experiências e lugares cujo acesso normalmente está vedado ao público.

As acções deste programa garantem todas as questões de acessibilidade e são acompanhadas por um elemento da equipa do Pavilhão do Conhecimento.

A participação é gratuita mediante inscrição prévia nos formulários online de cada actividade.

fora de portas

 

24 de Junho | Teatro Nacional D. Maria II

Atrás do pano

Num teatro, a acção não decorre apenas em cima do palco. Em dias de espectáculo (e nos que o antecedem), a agitação e o número de pessoas que se movem entre bastidores, corredores e camarins supera o do elenco.

Esta Experiência fora de portas dá a conhecer os camarins onde os actores se preparam para entrar em palco, os corredores e passagens secretas de um Teatro com mais de 170 anos de história e o ateliê de costura, situado no último piso do edifício, e onde ainda hoje se confeccionam figurinos. Venha descobrir os bastidores do Teatro D. Maria II, numa visita guiada pelos vários espaços deste monumento nacional onde se cruzam história, teatro e arquitectura.

Inscrições esgotadas

Horário: 11.00

Local: Teatro Nacional D. Maria II, Praça Dom Pedro IV, Lisboa.

 

25 de Julho | Oficinas de manutenção e engenharia da TAP

Altos voos

Na véspera das férias de verão, a Ciência Viva convida a altos voos. Faça as malas e embarque nesta Experiência Fora de Portas às Oficinas de Manutenção e Engenharia da TAP.

Nesta época do ano, são mais os aviões que cruzam os céus da capital do que aqueles que se encontram a necessitar de serviços de manutenção no Aeroporto de Lisboa. No entanto, nesta visita será possível subir a bordo de uma aeronave, conhecer os engenheiros que trabalham, em terra, na manutenção e engenharia de aviões, reatores e vários componentes, para que no ar nada falhe, assim como compreender os elevados níveis de segurança exigidos pela indústria aeronáutica, para a salvaguarda das condições de segurança de pessoas e bens e para a proteção do ambiente.

Inscrições esgotadas

Horário: 10.00

Local: Oficinas de manutenção e engenharia da TAP, Aeroporto de Lisboa, Lisboa

 

Setembro | Visita a divulgar brevemente

 

23 de Outubro | Laboratório de Arqueociências - LARC

Como nasce e para que nasce a osteoteca

O Laboratório de Arqueociências - LARC é uma estrutura de investigação que tem como principal objectivo produzir conhecimentos sobre aspectos de natureza económica, social, cultural e biológica das populações ancestrais, bem como da sua relação e interacção com o meio ambiente. Esse desafio é concretizado através da análise de artefactos líticos, sedimentos, restos de plantas, animais e ossos humanos recuperados em contexto arqueológico.

Esta Experiência fora de portas dá a conhecer as instalações do LARC, a sua equipa e parcerias. Após visitar o LARC, e a respectiva osteoteca (ou colecção de referência constituída por esqueletos de animais actuais), composta hoje em dia por mais de 2500 esqueletos de animais de 459 espécies de peixes, répteis, anfíbios, aves e mamíferos, será ainda possível assistir à exibição do filme "O cão de Muge – Um amigo pré-histórico", que relata a história do cão doméstico mais antigo de que há registo em toda a Península Ibérica.

Participação gratuita, com inscrição obrigatória.

Horário: 10.00

Local: Laboratório de Arqueociências, Calçada do Mirante à Ajuda – n.º 10 A, Lisboa.



 

Actividades anteriores

22 de Maio 2019 · Central Termoeléctrica do Ribatejo

Visita à fábrica da luz

A EDP Produção começou este século com a aposta na produção de electricidade numa central de ciclo combinado a gás natural, a Central Termoeléctrica do Ribatejo. A sua construção foi iniciada em 2001, tendo entrado em serviço industrial três anos depois. Em 2010, foi finalmente desactivada a “vizinha” Central Termoeléctrica do Carregado, uma central convencional a fuelóleo.

Esta Experiência fora de portas revela como é uma fábrica de produção de electricidade, dando a conhecer o seu funcionamento, a sua história e as suas pessoas. A visita contempla não só os aspectos relacionados com as instalações em si, mas também todos os processos que dão origem à produção de electricidade nos aproveitamentos hidroeléctricos e restantes centrais termoeléctricas de Portugal.

Local: Central Termoeléctrica do Ribatejo, Vala do Carregado, Alenquer.


Resumo da visita

Na ausência do contributo das energias renováveis para a geração de energia elétrica no país, os três grupos da Central Termoelétrica do Ribatejo operam na sua potência máxima (392 MW/grupo). Foi neste contexto que ocorreu a “visita à fábrica da luz”. Uma situação rara, pelas palavras do seu diretor (Dr. Nuno Timóteo).


De EPI (Equipamento Pessoal de Segurança) colocado, os participantes começaram por visitar o posto de comando da Central, em funcionamento 24 horas por dia. Esta Central, que veio substituir a antiga Central Termoelétrica do Carregado que empregava mais de 400 funcionários, conta apenas com 39 colaboradores (um décimo dos recursos humanos que operavam na antiga Central a “fuel”).


Conduzidos pelas explicações de Francisco Ribeiro e Vítor Clemente – ex-funcionários da antiga Central Termoelétrica do Carregado – os participantes assistiram ao funcionamento, em telerregulação pela REN (o que permite responder às solicitações energéticas ibéricas, ao segundo), dos três grupos de ciclo combinado (usam gás natural como combustível e o vapor gerado), e ficar a conhecer a estratégia adotada nas torres de refrigeração com 60 metros de altura que, devido à probabilidade de construção de um aeroporto nas imediações, foram impedidas de ter os recomendados 130 metros…


O grupo EDP, o maior produtor, distribuidor e comercializador de eletricidade em Portugal, a terceira maior empresa de produção de eletricidade da Península Ibérica e o quarto líder mundial em produção de energia eólica, abriu assim as portas da sua primeira central de ciclo combinado.

 


 

24 de Abril 2019 · Arquivo Nacional da Torre do Tombo 

Entre páginas e páginas de História…

Desde a sua instalação numa das torres do castelo de Lisboa, ocorrida provavelmente no reinado de D. Fernando e seguramente desde 1378, a Torre do Tombo prestou serviço como arquivo do rei, até 1755, quando ruiu durante o terramoto. A concepção de arquivo como serviço público de divulgação de conteúdos documentais surgiu tardiamente, com a consulta pública dos documentos a começar de forma tímida, em 1901.

Esta Experiência fora de portas dá a conhecer uma das instituições mais antigas de Portugal, que em 1990 foi transferida para um edifício construído propositadamente para albergar o Arquivo Nacional de Portugal. Viajando entre livros e documentos do Reino de Portugal até à actualidade, será possível descobrir a missão, os principais métodos arquivísticos, assim como os conteúdos dos documentos que escrevem a História nacional.

Local: Edifício da Torre do Tombo, Alameda da Universidade, Lisboa.

Resumo da visita

Durante a visita ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo, os participantes desta Experiência fora de portas foram desafiados a passarem de visitantes a leitores. Depois de uma breve contextualização história do edifício e da sua missão, foi possível visitar a sala de referência (onde se realizam as pesquisas documentais) e a sala de leitura, com 100 lugares, assim como a exposição “Pão, Carne e Água – Memórias de Lisboa Medieval” (inaugurada na véspera).


Quase a completar 30 anos de existência, o edifício é composto por 8 casas-fortes com documentos de valor simbólico (e incalculável), tendo o seguro realizado para a exposição da “Carta de Pêro Vaz de Caminha”, no castelo de Belmonte, há três anos, ascendido a cinco milhões de euros.


Com a assinatura do arquiteto Arsénio Cordeiro, esta verdadeira “casa-forte” conta com três portas e três percursos distintos para visitantes/leitores, funcionários e documentação e é caracterizado por oito gárgulas esculpidas pelas mãos do escultor José Aurélio – em blocos de pedra com 30 toneladas, com o Mosteiro de Alcobaça como inspiração – e por paralelepípedos que se assemelham a pirâmides, lugares sagrados onde se guardam segredos e valores. Durante a visita foi possível conhecer as ferramentas que foram usadas para “dar vida” a estas esculturas de inspiração medieval, com cerca de 18 toneladas cada, e a descobrir que estas possuem uma inclinação de 5o relativamente às fachadas do edifício para que, em caso de movimentos de terras, se aproximem destas e mantenham a sua integridade estrutural. Arquivo de memória mundial, o seu interior é marcado pela estrutura em madeira sobre as escadas de acesso ao primeiro piso, que aludem ao cavername de um navio.


A unidade de medida usada para quantificar património documental é o metro linear e a Torre do Tombo conta com 140 quilómetros lineares de prateleiras, representando 1500 instituições (muitas já extintas)! No entanto, apenas, 1% da sua documentação se encontra em formato digital.

 


 

26 de Março 2019 · Escola do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa

Aqui (não) há fogo!

A servir a população de Lisboa há mais de 600 anos, o Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa garante a segurança de pessoas e bens, através de acções de socorro e prevenção e colabora em actividades de protecção civil. Composto por 11 quartéis, o RSB de Lisboa integra um grupo de intervenção em matérias perigosas, um corpo de mergulhadores, uma unidade cinotécnica de resgate, entre outras valências operacionais. Esta Experiência fora de portas dá a conhecer a instituição onde a cidade de Lisboa forma soldados da paz com competências para actuar nas mais variadas áreas da prevenção e do socorro e mostra parte do espólio da mais antiga corporação de bombeiros em Portugal.

Local: Escola do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa – Quartel de Chelas, Avenida Dr. José Espírito Santo, Lisboa.


Resumo da visita

Sabia que a maioria das mangueiras do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa já não é guardada enrolada, mas sim em “zig-zag”, por uma questão de facilidade de utilização?

O quartel de Marvila – um dos 12 quartéis que constituem o RSB de Lisboa – acolheu esta manhã a primeira Experiência fora de portas de 2019 e os participantes descobriram estas e outras curiosidades.

Nesta instituição, com 633 anos de existência, os participantes puderam conhecer o plano de formação dos novos recrutas, subir numa autoescada com 37 metros de altura, visitar uma das duas galerias de treino existentes na Europa, ver uma maca com 103 anos, que outrora era usada para transportar doentes que chegavam a Lisboa por comboio ou da outra margem (de barco), descobrir uma viatura Mercedes Benz, exemplar único em todo o mundo e que a própria marca tem feito inúmeras tentativas (infrutíferas) de aquisição e ainda de assistir à localização, por um cão de busca e salvamento, de uma “vítima” soterrada, para além de explorarem a maquete do novo quartel, a construir durante o próximo ano.

bombeirosmarco2019

 


 

29 de Junho 2018 · Altice Arena

Nau invertida ou carapaça arquitectónica? Todos a bordo de uma utopia multiusos!

Altice Arena em (muitos) números: arena de 5 200 m2, capacidade para 20 000 pessoas, estrutura com 250 000 parafusos, construção assente em estacas de betão medindo todas juntas 5 km de comprimento, maior trave (arco) longitudinal com 155 m de perímetro e transversal com 114 m, 18 túneis de entrada e… várias portas!

Construída originalmente com o objectivo de alojar eventos desportivos de pista coberta, o arquitecto Regino Cruz idealizou o edifício como uma nau quinhentista virada ao contrário. Contando já com 20 anos de existência, a construção da maior sala de espectáculos do país serviu para reescrever as normas europeias de estruturas de madeira.

A grelha técnica – uma estrutura suspensa com capacidade de carga para 600 toneladas de material de som e iluminação, tendo suportado 240 toneladas durante o Festival Eurovisão da Canção (a maior carga suportada num único evento, até ao momento) – serve de pêndulo e estabiliza a estrutura em caso de sismo.

Local: Altice Arena, Parque das Nações – Lisboa

EFP altice

 


 

23 de Maio 2018 · Campus Tecnológico e Nuclear

Investigação científica e desenvolvimento tecnológico ao serviço do ambiente, da cultura e… da nossa alimentação 

Pelas palavras dos investigadores Rodrigo Mateus, Élio Luís, Pedro Valério, Paulo Portela e António Amaro, os participantes da “Experiência fora de portas” no Campus Tecnológico e Nuclear (Pólo de Loures do Instituto Superior Técnico, Bobadela) puderam constatar que a investigação que ali se desenvolve está perfeitamente enquadrada nosso dia a dia e não pertence ao campo da ficção científica ou do fantástico… Os únicos segredos que ali existem são as perguntas científicas para as quais os investigadores (ainda) não conseguiram encontrar respostas.

Entre fontes, aceleradores e implantador de iões, falou-se de análise da composição de materiais e de aerossóis; de radioisótopos e de datação de artefactos, madeira, ossos e conchas; de fenómenos oceanográficos e geoquímica de sedimentos; e até, de como se produz gelatina a partir de ossos (como as antigas gelatinas de origem animal).

De um laboratório onde se podem datar 100 amostras por dia (por espectrometria de massa com aceleradores), passou-se para um outro (de datação por radiocarbono, 14C) que pode analisar 100 amostras… por ano! Onde um dia de trabalho, resulta em média em 6.15 g de benzeno capazes de confirmar a idade de, por exemplo, um pedaço de madeira descoberto durante a baixa-mar na praia de Cortegaça (Esmoriz) – que se pensava tratar de armadilhas, um antigo porto de pesca ou mesmo uma embarcação – e se veio a revelar pertencer a um pinheiro proveniente de um pinhal aí existente há 27 mil anos.

Local: Campus Tecnológico e Nuclear - Pólo de Loures do Instituto Superior Técnico, Estrada Nacional 10 - Bobadela 


EFP ctn




27 de Abril 2018 · Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

Investigação científica e desenvolvimento tecnológico ao serviço do ambiente, da cultura e… da nossa alimentação 

Sabia que a porta da Caixa Geral de Depósitos foi testada para resistir a pelo menos um milhão de utilizações (abre-fecha)?

Criado em 1946, o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) é um instituto público de Ciência e Tecnologia, com estatuto de Laboratório do Estado, que desenvolve a sua actividade em todos os continentes. Entre os participantes, a surpresa foi geral ao descobrirem que a praia de Copacabana (Brasil) e o seu calçadão foram “criados” no LNEC, na década de 60.

Na visita ao campus, que está, desde 2012, classificado como monumento de interesse público, não foi possível conhecer a plataforma sísmica triaxial (devido a um estudo que estava a decorrer em sigilo, a pedido do cliente), mas os participantes puderam compreender os testes a que as portas, janelas, paredes e fachadas das suas casas foram sujeitos, assim como explorar o modelo da barragem da Foz do Tua.
O LNEC é o único instituto a nível mundial com todas as valências (humanas e instrumentais) para poder actuar em todas as áreas da Engenharia Civil.

Local: Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC, Avenida do Brasil, 110 – Lisboa


EFP_lnec

 



21 de Março 2018 · Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa - LxCRAS

Vida silvestre na cidade 

A equipa do Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva visitou o Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa (LxCRAS) na companhia dos mais crescidos.

Nesta viagem pelo interior do Parque Florestal de Monsanto, Erica Brazio, médica veterinária, referiu que no ano passado deram entrada no LxCRAS 1600 animais e que cerca de um terço dos animais Centro são libertados na natureza. O momento alto desta visita foi assistir à libertação de um ouriço (ouriço-cacheiro) da espécie Erinaceus europaeus, dois meses depois de ter chegado ao centro.

Local: Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa (LxCRAS), Estrada Barcal – Monsanto

 

EFP_lxcras 

  


O Pavilhão do Conhecimento é membro de:

rede logo
ecsite logo
eusea logo
astc logo
icom logo
turismo logo


Newsletter


Inscreva-se Inscreva-se