Porque explodem os vulc§es?


Os vulcões são, sem dúvida, um dos fenómenos naturais que maior temor incute nas pessoas. O imprevisto despertar de um vulcão, muitas vezes considerado extinto, pode causar em poucos minutos milhares de mortos. Súbitas explosões são capazes de em poucos segundos pulverizar o topo de uma montanha.

Os relatos e imagens históricas da actividade vulcânica no planeta são, de facto, aterradores. Será que é possível imaginar a quantidade de energia envolvida na última erupção de Krakatau. Krakatau era uma, entre milhares, das ilhas da Indonésia situada no estreito de Sunda entre a ilha de Java e a de Sumatra. Era também um vulcão que dois dias após ter entrado em erupção desapareceu, pulve-rizou-se, lançando para o ar toneladas de material incandescente enquanto produzia um ruído ensurdecedor. Esse som foi ouvido num raio de 4 500 km, tendo sido classificado, em 1888 por uma comissão da Royal Society of London, como o maior ruído da história da humanidade. Durante 1 ano foram encontrados a flutuar no Oceano Índico blocos de pedra-pomes com toneladas, resultantes da explosão da ilha. No entanto, não foram estes os fenómenos mais aterradores desta erupção do Krakatau. A acti-vidade vulcânica foi responsável pelo crescimento, a partir da ilha, de uma gigantesca onda oceânica - tsunami - que arrastou mais de 36 000 pessoas das ilhas vizinhas, Java e Sumatra.

Mas porque explodem os vulcões???Magma é um material rochoso fundido que pode conter em suspensão cristais e gases dissolvidos. Em profundidade as rochas sobrejacentes exercem carga sobre o magma comprimindo fortemente os gases nele existentes. À medida que se vai dando a ascensão do magma, a carga que sobre ele se exerce é cada vez menor e, por isso os gases vão-se dilatando. Se a ascensão do magma é muito rápida a descompressão dos gases é também rápida. Este fenómeno provoca a súbita expansão dos gases contidos no magma originando enormes e perigosíssimas explosões vulcânicas. Este é também o fenómeno que origina as “explosões” associadas à abertura de uma garrafa de champanhe; sem a pressão imposta pela rolha, os gases dissolvidos no líquido podem subitamente expandir-se para fora da garrafa, arrastando consigo parte do líquido.